Câmara do Rio deve votar hoje projeto que proíbe o Uber


Seja um motorista da Uber, cadastre-se em http://ubr.to/2aaLL7e
Seja passageiro e faça primeira corrida grátis: www.uber.com/invite/eu8yhue



Enquanto os olhos estão voltados para o pacotão do governo do estado, os vereadores do Rio desencavaram o projeto que proíbe o Uber no município.
Depois de inúmeros adiamentos, o projeto de Vera Lins (PP) deve ser votado, e tem tudo para ser aprovado, pela Câmara nesta quarta-feira (09). A proposta entrou em pauta nesta terça-feira (08), mas a sessão caiu por falta de quórum.
Atualmente, o Uber funciona com base em uma liminar da Justiça, que suspendeu uma lei que regulamentava o serviço de transporte de passageiros, aprovada pelos vereadores em 2015. Ou seja, se este novo projeto passar, os vereadores estarão decidindo sobre uma causa que está sub judice.

A proposta de Vera Lins vai e volta desde outubro do ano passado, quando, por meses, trancou a pauta porque ninguém queria se indispor com taxistas ou com a população que usa o Uber.

Fonte: Jornal Extra




Uber começa a operar em Juiz de Fora nesta quinta-feira


Seja um motorista da Uber, cadastre-se em http://ubr.to/2aaLL7e
Seja passageiro e faça primeira corrida grátis: www.uber.com/invite/eu8yhue


JUIZ DE FORA passa a contar com o serviço da Uber nesta quinta-feira (10). Em entrevista ao G1nesta quarta (9), a gerente de comunicação da empresa, Leticia Mazon, disse que a implantação do serviço alternativo de transporte de passageiros terá início a partir das 14h de quinta. Em outras cidades do país, o transporte gerou polêmica entre taxistas e prestadores do serviço. Isso porque a Uber é conhecida por oferecer um preço mais barato e com diferenciais.
A empresa já tinha confirmado ao G1 em outubro que estava realizando avaliações na cidade. Em nota, a Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito (Settra) informou que, pela lei vigente, a operação do Uber é considerada clandestina e está sujeita a fiscalização, conforme os demais veículos que se enquadram como transporte irregular de passageiros.
A gerente de comunicação da Uber disse que a atividade é legalizada e que a Prefeitura não pode impedir o funcionamento. Acrescentou, ainda, que a empresa está aberta para conversar sobre o assunto com o Executivo.
“Temos mais de 40 decisões judiciais a nosso favor. A própria política de mobilidade urbana pode disciplinar e criar regulamentação, mas não pode proibir. Além disso, em Minas Gerais,  temos uma liminar que permite os motoristas parceiros do aplicativo atuarem sem problemas”, afirmou.
Fonte: G1

Justiça condena taxistas por agressão a casal passageiro de Uber, em BH


Seja um motorista da Uber, cadastre-se em http://ubr.to/2aaLL7e
Seja passageiro e faça primeira corrida grátis: www.uber.com/invite/eu8yhue


Três taxistas acusados de agredir a jornalista Luciana Machado e o marido dela, o músico Marcel Telles, foram condenados a pagar indenização de R$ 30 mil por danos morais. A agressão ocorreu em agosto de 2015, na Região Nordeste de Belo Horizonte, após as vítimas embarcarem em um carro chamado pelo aplicativo Uber.


Conforme a jornalista relatou à época, três taxistas cercaram o carro do Uber onde o casal estava, no bairro União. Os veículos foram usados para bloquear a passagem do outro carro. O músico levou socos e ficou com o rosto machucado. O casal registrou boletim de ocorrência na Polícia Militar (PM) e Telles foi submetido a exame de corpo de delito. (Veja abaixo reportagem do Bom Dia Minas do dia 11 de agosto de 2015)

Na decisão da última segunda-feira (7), a juíza Ana Cristina Viegas Lopes de Oliveira estabeleceu um valor de indenização de R$ 20 mil para o músico e R$ 10 mil à jornalista. A magistrada destacou que um dos réu não exercia regularmente a atividade de taxista e “não teria sequer que se envolver na situação por não pertencer a classe profissional supostamente defendida”.


Ainda de acordo com Ana Cristina de Oliveira, o fato de o Uber não estar regulamentado não proíbe uso do transporte. “Tanto que o aplicativo está disponível para uso, o que torna ainda mais reprovável a conduta dos requeridos em face dos autores”, salienta a magistrada. Ela afirmou que as provas confirmam as agressões. Os acusados negam o crime.
“Como se observa por todo o exposto, restou comprovado que os réus praticaram ato ilícito, uma vez que impossibilitaram o exercício do direito de ir e vir dos autores e, além disso, causaram as agressões físicas contra o autor Marcel”, descreve a juíza na decisão.
Processo penal
Os motoristas também respondem ao processo no âmbito penal por tentativa de homicídio. Em agosto deste ano, a Justiça de Minas aceitou a denúncia contra os três taxistas acusados de agredir o casal. Ao G1, a assessoria da Uber informou que este é o primeiro caso levado à Justiça por este crime contra passageiro do aplicativo no país.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a denúncia, a que o G1 teve acesso, foi aceita no último dia 22 de agosto pelo juiz Maurício Leitão Linhares. No documento, os taxistas são acusados de tentativa de homicídio por motivo torpe, com emprego de asfixia e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Conforme a denúncia do Ministério Público, o crime foi por motivo torpe, porque os acusados cometeram o crime “pelo simples fato de a vítima, quando do ataque, estar fazendo uso do serviço Uber, preferindo a contratação de transporte por meio que não oferecido pelos acusados”, destaca o documento.

FONTE: G1

Uber é condenada a pagar R$ 12 mil após motorista errar caminho


Seja um motorista da Uber, cadastre-se em http://ubr.to/2aaLL7e
Seja passageiro e faça primeira corrida grátis: www.uber.com/invite/eu8yhue


A maranhense Luiza Neta Silva dos Santos, de 29 anos, ganhou uma ação contra a Uber após um atraso de quase 2 horas em um deslocamento no Rio de Janeiro, no dia 11 de abril. A defesa do aplicativo tem dez dias para recorrer da decisão.

Luiza, que trabalha como babá, precisou utilizar os serviços do aplicativo para sair de um hotel no Leblon para ir Aeroporto Internacional do Galeão, onde pegaria um voo para o Maranhão. O deslocamento, previsto em 40 minutos, durou 2h30 e o voo foi perdido pela babá. O juiz Manoel Aureliano Ferreira Neto, do 8º Juizado Cível e das Relações de Consumo de São Luíscondenou, em primeira instância, o aplicativo a pagar R$ 12 mil à cliente. A audiência foi realizada nessa segunda-feira (7).
Como no Maranhão a empresa Uber ainda não começou a operar, essa foi a primeira experiência de Luiza neste tipo de transporte.
“Quando entrei no carro, o motorista disse que conhecia o caminho. Mas depois de um tempo rodando, eu fiquei preocupada, pois não sabia onde estava e perguntava as coisas para ele e não tinha respostas. Ele não falava nada. Depois de tanta demora, ele resolveu falar que estava perdido. Aí, fomos perguntando nos postos e em outros locais até chegarmos ao aeroporto”, contou Luiza.
De acordo com o advogado da cliente, Bruno Duailibe, o motorista tinha um GPS no veículo, mas estaria 'descalibrado'. "Aí, o GPS mais atrapalhou do que ajudou o motorista, que já estava totalmente desorientado", disse.
Quando chegou ao Galeão, a maranhense já tinha perdido o voo. Teve que voltar ao hotel e, para sua surpresa, o motorista também não sabia retornar.
08/11/2016 10h24 - Atualizado em 08/11/2016 11h31

Uber é condenada a pagar R$ 12 mil após motorista errar caminho

Justiça condenou a empresa por erro contra cliente maranhense.
Decisão foi em primeira instância e ainda cabe recurso.

Do G1 MA
A maranhense Luiza Neta Silva dos Santos, de 29 anos, ganhou uma ação contra a Uber após um atraso de quase 2 horas em um deslocamento no Rio de Janeiro, no dia 11 de abril. A defesa do aplicativo tem dez dias para recorrer da decisão.
Luiza, que trabalha como babá, precisou utilizar os serviços do aplicativo para sair de um hotel no Leblon para ir Aeroporto Internacional do Galeão, onde pegaria um voo para o Maranhão. O deslocamento, previsto em 40 minutos, durou 2h30 e o voo foi perdido pela babá. O juiz Manoel Aureliano Ferreira Neto, do 8º Juizado Cível e das Relações de Consumo de São Luíscondenou, em primeira instância, o aplicativo a pagar R$ 12 mil à cliente. A audiência foi realizada nessa segunda-feira (7).
Como no Maranhão a empresa Uber ainda não começou a operar, essa foi a primeira experiência de Luiza neste tipo de transporte.
“Quando entrei no carro, o motorista disse que conhecia o caminho. Mas depois de um tempo rodando, eu fiquei preocupada, pois não sabia onde estava e perguntava as coisas para ele e não tinha respostas. Ele não falava nada. Depois de tanta demora, ele resolveu falar que estava perdido. Aí, fomos perguntando nos postos e em outros locais até chegarmos ao aeroporto”, contou Luiza.
De acordo com o advogado da cliente, Bruno Duailibe, o motorista tinha um GPS no veículo, mas estaria 'descalibrado'. "Aí, o GPS mais atrapalhou do que ajudou o motorista, que já estava totalmente desorientado", disse.
Quando chegou ao Galeão, a maranhense já tinha perdido o voo. Teve que voltar ao hotel e, para sua surpresa, o motorista também não sabia retornar.
“Ele disse que tinha esquecido o caminho. Então falei pra ele tentar chegar próximo a uma praia, que seria mais fácil pra eu lembrar o trajeto. E foi assim. Eu fui guiando o motorista até o hotel. Ele pediu desculpas, mas eu fiquei muito chateada”, disse.
Já no hotel, Luiza conseguiu comprar, pela internet, uma passagem para o mesmo dia e embarcou em um voo das 23h. Na ida novamente para o aeroporto, preferiu um táxi e chegou em 40 minutos. Desta vez, sem sustos.
O advogado Bruno Duailibe disse que a defesa da empresa tentou isolar o erro do motorista das responsabilidades da Uber.
“Na audiência, disseram que a Uber não se responsabiliza pelo motorista, apenas pelo aplicativo. Mas questionei isso, pois quando o pagamento é feito pelo cliente, o motorista fica com a menor parte, além do mais, o motorista é credenciado pelo aplicativo”, disse o advogado.
Bruno Duailibe disse ainda que o fato de não ter congestionamentos fez com que o erro do motorista ficasse mais evidente, tanto que a Uber estornou parte do valor cobrado justificando que cobraria apenas o equivalente aos 40 minutos, que seria o tempo normal.
“Com esta atitude, o aplicativo assumiu o erro. O motorista estava começando no ramo. Estava há três dias só, mas é obrigação de qualquer pessoa que se dispõe a ser motorista no Rio conhecer o caminho do Leblon para o Galeão”, concluiu o advogado.

Fonte: G1

Em reuniões, representantes do Uber debatem início da operação em Blumenau


Seja um motorista da Uber, cadastre-se em http://ubr.to/2aaLL7e
Seja passageiro e faça primeira corrida grátis: www.uber.com/invite/eu8yhue


Blumenau pode ser uma das próximas cidades catarinenses a receber o aplicativo Uber, que oferece um serviço parecido com o de táxi. Regularizado e atuando em cidades como São Paulo, o serviço ainda gera polêmicas em Florianópolis, única cidade catarinense onde começou a operar recentemente e ainda não foi regulamentado.
Em Blumenau motoristas relatam que foram procurados pela empresa para uma reunião que ocorreu em um espaço de coworking na semana passada, nos dias 3 e 4 de novembro. Participaram da reunião pessoas que já haviam se cadastrado para dirigir pelo Uber através do site do app (é possível se cadastrar para qualquer cidade, mesmo onde ainda não há atuação). Nos encontros, representantes da empresa teriam explicado o funcionamento do app, como se cadastrar e esclarecido dúvidas. Não houve nenhuma oficialização sobre o início do serviço na cidade.

Através de assessoria de imprensa, o Uber declarou que realiza com frequência reuniões deste tipo em cidades pelo Brasil para avaliar as possibilidades e o número de motoristas interessados. No entanto, a reunião não é uma garantia da chegada do aplicativo na cidade. Além de Blumenau, houve também uma reunião em Joinville nos mesmos dias.


UBERmoto chega em São Paulo


A UBERmoto chegou em São Paulo. Agora você que tem uma moto pode se cadastrar clicando aqui e ganhar dinheiro transportando pessoas em sua moto. 

O novo serviço de motos funciona da mesma forma como a solicitação de carros: o usuário informa localização atual e destino; o motorista mais próximo recebe a chamada e vai atendê-lo; o preço da corrida é composto pela soma da taxa inicial e custos por quilômetro rodado e tempo da viagem. A diferença para o serviço dos carros é que os condutores oferecem aos passageiros um capacete, item obrigatório no país.

O Uber afirma que os condutores de motocicletas passam pelo mesmo processo de seleção que os motoristas de carros.